Tecnologia

Telescópio Hubble fotografa galáxias brilhantes em rota de colisão

Em uma nova imagem divulgada recentemente pela Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos Estados Unidos (NASA), astrônomos apresentam as galáxias espirais UGC 05028 e UGC 05029 colidindo em um processo de fusão. Além disso, é possível ver uma brilhante região de formação de estrelas ao redor das duas galáxias, as quais são coletivamente chamadas de Arp 300.

A agência espacial norte-americana explica que UGC 05028 é uma galáxia um pouco menor que sua parceira cósmica, conhecida como UGC 05029; é justamente a galáxia maior que puxou a estrutura cósmica menor por meio do seu poderoso campo gravitacional. Ambas não são fáceis de serem visualizadas por meio de telescópios terrestres, mas a imagem fotografada pelo Hubble apresenta os detalhes distintos de cada uma.

As galáxias UGC 05028 e UGC 05029 são apresentadas na parte central da imagem, bem como estrelas representadas pelas cores azuis. Há também outras cinco galáxias distantes de fundo na parte inferior da imagem. As galáxias UGC 05028 e UGC 05029 são apresentadas na parte central da imagem, bem como estrelas representadas pelas cores azuis. Há também outras cinco galáxias distantes de fundo na parte inferior da imagem. Fonte:  NASA / ESA /J. Dalcanton / R. Windhorst / Processing: Gladys Kober 

Os cientistas perceberam que a UGC 05028 tem uma estrutura assimétrica e irregular, contudo, é provável que isso aconteça por conta da ‘dança gravitacional’ com a galáxia maior. As duas estruturas massivas podem ser observadas de frente na imagem divulgada pelo telescópio Hubble, apresentando suas protuberâncias e braços espirais em constante brilho.

“UGC 05029 tem uma estrutura espiral pronunciada e múltiplas estrelas gigantes azuis quentes visíveis no lado voltado para UGC 05028. Esta formação estelar aprimorada é provavelmente devido à interação entre as duas galáxias. Outra galáxia espiral de perfil é visível nesta imagem abaixo da UGC 05029, mas é demasiado tênue para ser resolvida em regiões de formação estelar, enquanto os cinco objetos dispostos acima dela são provavelmente um grupo de galáxias distantes de fundo”, a NASA descreve.

Hubble e galáxias em colisão

Na imagem, é possível observar que a UGC 05028 emite um nó brilhante característico próximo do seu núcleo, que não deve durar muito tempo a depender da força da galáxia UGC 05029. Os pesquisadores explicam que quando o processo de fusão estiver concluído, é possível que a galáxia menor seja totalmente absorvida por UGC 05029.

Segundo a NASA, a observação do Hubble sobre o par de galáxias foi realizada para os cientistas estudarem as características físicas gerais das galáxias e seus processos de formação de estrelas. Foi essa interação entre as duas que causou o rápido nascimento de diversas estrelas na região, considerada uma dinâmica importante da formação estelar.

“O nó brilhante visível a sudeste do centro de UGC 05028 pode ser o remanescente de outra pequena galáxia que está em processo de fusão com aquela galáxia. Se for este o caso, esse remanescente acabará por se fundir com a barra de estrelas visível nas imagens da UGC 05028 do Hubble, formando um bojo central semelhante ao da maior galáxia companheira da Arp 300, UGC 05029”, a NASA acrescenta.

Gostou do conteúdo? Fique sempre atualizado com as últimas descoberta do Telescópio Espacial Hubble aqui no TecMundo e aproveite para saber mais sobre como o nascimento das primeiras galáxias do universo.



Fonte:TECMUNDO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *