DestaquesSaúde

Médicos de Teresina fazem manifestação por melhorias e enfrentam decisão judicial

Nesta segunda-feira (29), os médicos que trabalham na rede municipal de saúde de Teresina fazem uma nova manifestação para cobrar melhorias nas condições de trabalho, a realização de concurso público e a solução da falta de insumos no Hospital de Urgência de Teresina.

De acordo com a denúncia, os profissionais de saúde enfrentam problemas de infraestrutura, falta de leitos, equipamentos e medicamentos para atender os pacientes.

“Essa situação é muito grave, pois prejudica a qualidade do atendimento e põe em perigo a vida das pessoas. Médicos, que se dedicam a salvar vidas, estão sem os recursos básicos para fazer seu trabalho da melhor maneira possível”, afirma o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI).

Decisão judicial impede paralisação total

O desembargador Joaquim Dias de Santana Filho, do Tribunal de Justiça do Piauí, concedeu parcialmente o pedido de tutela da Fundação Municipal de Saúde (FMS) para impedir a paralisação total dos médicos do município de Teresina prevista para esta segunda-feira (29). O pedido foi feito pela assessoria jurídica da FMS.

Segundo a decisão, os médicos devem manter pelo menos 90% dos serviços em funcionamento em cada uma das unidades de saúde do Município de Teresina, para garantir o atendimento à população, sob pena de multa diária de R$ 100 mil para o sindicato, além do desconto dos dias não trabalhados pelos servidores, em caso de descumprimento.

O motivo da decisão é que a paralisação dos profissionais de saúde piora muito a situação do serviço público de saúde no Município de Teresina e no Estado do Piauí, já que os setores de cirurgias, partos, exames e consultas ficariam suspensos.

“A greve traria prejuízo aos milhares de usuários do Sistema Único de Saúde no Piauí que precisam de atendimentos de assistência médica e hospitalar”, diz o texto.

Mesmo com a decisão, o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI) diz que não foi notificado pela justiça e que, por isso, a paralisação vai continuar nesta segunda-feira (29).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *